segunda-feira, 20 de maio de 2013

O amor...

O amor não fica por misericórdia, por falta de opção ou mesmo por não ter para onde ir. O amor continua por desconhecer qualquer motivo para descontinuar e por ser totalmente incapaz de encontrar algum sentimento afiado o suficiente para rompê-lo. O amor não liga para o tempo que passa sempre com muita pressa e não se abala com o correr da carruagem que insiste em diariamente corroer nossos ossos. O amor simplesmente fica. Perdura. Não vai. Resiste à tentação atômica das muitas novas paixões, à destruição gerada pelo câncer imprevisível, à feiúra da pele cada dia mais enrugada e até ao ódio, que muitas vezes, involuntariamente, brota de dentro de nós. O amor, do tipo verdadeiro, mesmo quando senhor ou senhora, não liga para falta de língua ou para o beijo rápido que já não lambuza mais como um dia lambuzou, pois de dentro de cada selinho desferido, ele transborda em forma de um quilométrico desejo de querer bem. É isso. O amor é mais que simplesmente amar. O amor é uma vontade incontrolável de querer bem. Seja pela mãe, pelo pai, pelo irmão, pelo cachorro, pelo marido, pela mulher ou por qualquer uma das tantas coisas que são inteiramente dignas de amar. O amor, do tipo incondicional, não morre nem quando o corpo do outro morre, pois segue firme no olhar incompleto, que insistirá sempre em ancorar-se nas fotos tiradas quando ainda havia chance de tocar a ponta do nariz do ser amado. O amor verdadeiro só para quando o coração de quem ama finalmente para. O amor precisa de apenas um corpo com vida para existir.
(Desconheço autoria)


0 comentários:

Template by:

Free Blog Templates